Símbolos Heráldicos dos Açores

Bandeira Oficial dos Açores
1979

 A bandeira dos Açores representa a tradição autonomista que corresponde a uma vincada afirmação açoriana, conjugando-a com as raízes portuguesas e a ligação a Portugal. 


A bandeira oficial dos Açores é herdeira daquela que ficou conhecida como "bandeira da autonomia", surgida nas campanhas autonomistas do final do século XIX. A esta, a bandeira oficial da Região adiciona o escudete português no canto superior esquerdo, bem como pequenas alterações de estilização. Mantém os símbolos do Açor voante, em forma naturalista, de oiro, e as nove estrelas de cinco raios, também de oiro e posicionadas em semi-círculo sobre a ave emblemática do arquipélago, aludindo às nova ilhas dos Açores.

As cores da bandeira da Região Autónoma dos Açores - azul e branco - traçam a sua origem às cores heráldicas de Portugal conforme a bandeira da monarquia liberal portuguesa, hasteada pela primeira vez em 1830 no Castelo de São João Baptista do Monte Brasil, em Angra do Heroísmo. No quadro da guerra civil de 1828-1834, o Conselho de Regência de Portugal encontrava-se exilado na Ilha Terceira. 

A bandeira dos Açores representa a tradição autonomista que corresponde a uma vincada afirmação açoriana, conjugando-a com as raízes portuguesas e a ligação a Portugal. 

 

 

 Foi aprovada pelo Decreto Regional n.º 4/79/A, de 10 de Abril, e
 regulamentada pelo Decreto Regulamentar Regional n.º 13/79/A, de 18 de Maio.

 

"Como símbolos dos Açores, a bandeira, o brasão de armas, o selo e o hino têm direito à veneração do Povo Açoriano e ao respeito de todos na Região."  


Resolução do Conselho do Governo n.º  1/2020 
Estabelece normas gráficas para utilização da bandeira dos Açores

 
 

 

    SABIA QUE?

A bandeira oficial dos Açores é herdeira 
daquela que ficou conhecida como a                                                                  "Bandeira da Autonomia", surgida nas                                                            campanhas Autonomistas do final do                                                                  século XIX.